Crítica: Sucker Punch - Mundo Surreal

30 de março de 2011 11 Comente Aqui!

No domingo fui ao cinema assistir ao esperado (por mim) novo filme do Zack Snyder (A Lenda dos Guardiões, Watchmen, 300). Após o sucesso nas adaptações este é o 1º longa que Snyder assina também o roteiro, que é bem inovador e como sempre conta com um visual arrebtador (marca já carcterística de seus filmes). Como de costume e para não perder o hábito o filme sofre com a distribuição no Brasil, não tiveram trailers sobre o filme divulgado nos cinemas nacionais, além da tradução do nome do filme que foge bastante do original.

Sucker Punch é uma fantasia épica de ação que nos apresenta à imaginação fértil de uma jovem garota, cujos sonhos são a única saída para sua difícil realidade em um hospício. Desligada dos limites de tempo e espaço, ela está livre para ir onde sua mente levar, porém, chega o momento em que suas incríveis aventuras quebram o limite entre o real e o imaginário, trazendo consequências trágicas.

O novo filme de Snyder traz um ingrediente bem familiar para os fãs que Quentin Tarantino (Pulp Fiction, Bastardos Inglórios) que são as mulheres bonitas, fortes e protagonistas da ação dentro do filme. Mas as semelhanças param por aí, enquanto Tarantino enche os seus longas com muita referência pop, musicas retrô e carregando os diálogos de sarcasmo as produções de Snyder focam no visual (deslumbrante como sempre) tem uma trilha bem mais atual e faz o uso como poucos dos cenários digitais (sempre muito grandiosos e bonitos).

O elenco assim como os seus trabalhos não conta com muitos atores de renome, tendo Emily Browning (Ned Kelly, Navio Fantasma) vivendo a protagonista Babydoll (bonequinha em tradução livre), Vanessa Hudgens (High School Musical, A Fera) fazendo uma produção mais "adulta", Jamie Chung (Se Beber, Não Case! 2, Dragonball Evolution), Jena Malone (O Mensageiro) e Abbie Cornish (A Lenda dos Guardiões) vivendo as irmãs Rocket e Sweet Pea. O elenco ainda conta com a presença de Oscar Isaac (Robin Hood) que faz o vilão Blue Jones, Carla Gugino (Rápida Vingança, Watchmen) vivendo a terapeuta do hospício e o veteraníssimo Scott Glenn (Dia de Treinamento, Apocalypse Now, Caçada ao Outubro Vermelho) fazendo o papel de guia dentro dos devaneios de Babydoll.

Sucker  Punch é uma salada mista bem interessante, um mistura de cenários deslumbrantes que conta com uma ação frenética muito bem delineada dentro dos sonhos e devaneios de uma "louca" servindo como um grito de socorro para aqueles que querem sair das mesmices em que se encontram as produções de hoje em dia. Em alguns momentos lembra muito Scott Pilgrim Contra o Mundo sem as referências nerd, mas com um visual parecido e envolto a "devaneios" dos personagens. A trilha sonora é fantástica casando muito com cada cena e fazendo com que o espectador se conecte na jornada da protagonista por sua liberdade. Vale dar um conferida em mais um bom trabalho desse jovem diretor que vai colecionando bons projetos.

Nota: 8,0


Trailer:


11 Comente Aqui! :

  • Cíntia disse...

    Esse filme é muito ruim. Não tem roteiro toda a tal profundidade referente a busca pela liberdade é só uma desculpa para dizer que há isso, pois pelo contrário, da uma seriedade o filme piora a sua pespectiva, é só uma fantasia sexual masculina, como mulheres com roupas pequenas . As imagens são bonitas e tem boas músicas, mas depois que da segunda luta perdeu a graça para mim, pois as duas eu achei muito engraçadas de tão ridículas. Imaginação feminina o que? Que mulher imaginaria aquilo, um homem ou um adolescente com fantasias sexuais é que fariam isso. Filme não são só imagens e músicas, um roteiro é muito bem vindo.

  • Silvano Vianna disse...

    Se fosse assim os filmes de Tarantino e Robert Rodriguez todos seriam um lixo (o que tem de mulher bonita de pouca roupa). O Snyder não faz uso de poses e caras e bocas das atrizes em cena, foca muito mais na ação e que é bem feito. O filme é uma fábola, uma forma que ele achou para contar essa história de uma maneira mais fantasiosa e aproveitar os efeitos, as cenas de luta e a ótima trilha ao máximo. Assim como Scott Pilgrim Contra o Mundo muita gente pode não gostar, mas tem seu valor sim.
    Realmente se o filme fosse dirigio e escrito por uma mulher ia ser bem diferente, mas é o Snyder um cara que faz filmes estilo quadrinhos um ambiente cheio de mulheres com poucas roupas e todas muito bonitas, as vezes também temos que saber o que vamos assistir antes de tomar partidos tão fortes sobre algumas obras.

  • Cíntia disse...

    Bem, creio que a maioria não concorda com a minha opinião, mas eu não estou sozinha, li uma crítica que eu assino em baixo em todos os pontos, meu ponto de vista é bem similar, olha o link:http://bastidoores.wordpress.com/2011/03/28/critica-sucker-punch/

  • Equipe Cinema Detalhado disse...

    Cintia.

    Não existe filme ruim ou bom. Existe aquele que agrada a um e outros não. Tudo influencia, bem estar, bom humor. Silvano pode ter gostado e você não, o que é completamente normal. A discussão é maravilhosa e os comentários estão aí para isso! Quero que saiba que pode discordar sempre e lutar por seu argumento! Com você apontando os pontos fracos e ele o fortes, as pessoas vão terminar sabendo se devem ir, cutir, ou assitir o filme!!

    OBRIGADO!

    Tiago Britto.

  • Anônimo disse...

    found your site on del.icio.us today and really liked it.. i bookmarked it and will be back to check it out some more later

    cialis

  • juninho disse...

    eu amei esse filme ,mostra uma menina louca que quer fugir da realidade ter um lugar so pra ela um lugar onde ela possa se espressa,e arranjar um jeito de consertar o que errou!!! e pra aquelas pessoas que criticaram o filme la vai uma frase:eu sou louco sou pirado,mas uma coisa que eu aprendi com esse filme e que as melhore pessoas são aquelas bem loucas!!!

    meu nome e juniho visite meu orkut e juninho03sabino@yahoo.com.br

 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...