Pesquisar

Carregando...

Resenha de Filme: Universidade dos Monstros

26 de junho de 2013 0 Comente Aqui!

É nítido que a crise de criatividade começou a tomar conta do universo de animações e cada vez mais franquias lançam sequências que só demonstram essa realidade e o interesse, por parte dos estúdios, em aumentar a lucratividade em torno de algo que não chega ao pés do original. A Disney/Pixar, que sempre se destacou no quesito inovação, deu uma derrapada neste sentido com o lançamento da continuação de Carros (Carros 2) e começou a ser questionada com a longa Valente, que, mesmo sendo vencedor do Oscar de animação de 2013, dividiu bastante opiniões. Outra prova recente que demonstra essa crise de criatividade no estúdio é a busca por ressurgir personagens marcantes de sua história e com eles fazerem algo novo. Não estou questionando qualidade no momento, mas é deste pensamento que surgiu este prelúdio de Monstros S.A. e a futura continuação de Procurando Nemo.

Confesso que fiquei intrigado quando anunciaram que fariam uma nova trama sobre a dupla Mike e Sulley, principalmente por considerar que o roteiro do primeiro filme é tão bem amarrado que uma continuação seria praticamente impossível. Conformando minhas expectativas, alguns meses depois foi anunciado que a história na verdade seria um prelúdio e que seria demonstrado o desenvolvimento da dupla e o caminho percorrido para chegarem no posto de glória do começo do longa de 2001. Essa informação causou bastante medo, não somente em mim, como também ao público, que passou a temer estragarem a história de vida da dupla protagonista de uma das melhores animações de todos os tempos. Boo, personagem que ganhou o público no original nem teve sua participação cogitada e isso atacou diretamente aos fãs da garotinha.

Apesar do medo e da preocupação inicial, refletindo um pouco chega-se a conclusão de que ver a história de Mike e Sulley poderia ser bastante interessante e que o estúdio poderia acertar e gerar mais uma boa animação. Dito e feito. O tom saudosista e entusiasmante garante grande entretenimento ao espectador que se vê logo curioso sobre os desenrolar dos fatos da trama, que conta como a dupla se conheceu , na universidade de Monstrópolis e os motivos para o seu primeiro contato não ter sido dos melhores. O espectador fica curioso ao saber como Mike, um garotinho que sonhava ser um assustador, se tornou um o que de fato é no primeiro filme e como Sulley, um chato filho de pai famoso se tornou aquele personagem tão contagiante como no primeiro longa. O fato é que depois de uma grande trapalhada ele serão obrigados a trabalhar juntos para atingirem seus objetivos pessoais.

Diante deste universo a Disney/Pixar voltar a mostrar toda a sua capacidade de, em meio a uma trama leve e divertida, transmitir mensagens interessantes que servem lição tanto para adultos como para crianças. A primeira de todas é a de ser uma pessoa esforçada e dedicada para conseguir atingir, de alguma forma, seu sonho e realizar seus desejos. O que muda é que desta vez a coisa é apresentada de forma diferente e demonstra que algumas vezes é preciso identificar e se auto avaliar para perceber que aquilo que almeja pode não ser totalmente conseguido, mas que por meio do conhecimento de suas limitações é possível de se encontrar uma forma de conseguir. Essa é uma lição bem interessante que pode ser aplicada muito bem para um adulto que sonha em executar uma função, mas que possui boas habilidades para executá-las através de seus conhecimentos sendo repassados para terceiros ou simplesmente por perceber que não possui o dom para aquilo, mas que possui características que podem ser aproveitadas em outros segmentos. 

Mensagens educativas e inteligentes não são a única característica divertida da trama, que, como dito anteriormente, possui um tom bem saudosista capaz de conectar o espectador a produção no primeiro sorriso enlatado do pequenino Mike, que já demonstrava ser aquele sonhador que tanto conhecemos. Essa áurea consegue garantir diversão e risadas para todos os tipos de público e, apesar de não contar com a fofura de um personagem como Boo, consegue ser uma grata surpresa e uma bela animação.


Trailer do Filme:


Ficha Técnica:
Gênero: Animação
Direção: Danj Scanlon
Roteiro: Dan Scanlon, Daniel Gerson, Robert L. Baird
Elenco: Billy Crystal, Dave Foley, Jeff Pidgeon, Joel Murray, John Goodman, Julia Sweeney, Peter Sohn, Steve Buscemi
Produção: Kori Rae
Trilha Sonora: Randy Newman
Duração: 107 min.
Ano: 2012
País: Estados Unidos
Cor: Colorido
Estreia: 21/06/2013 (Brasil)
Distribuidora: Disney
Estúdio: Pixar Animation Studios / Walt Disney Pictures
Classificação: Livre

0 Comente Aqui! :

 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...