Resenha de Filme: Kon-Tiki (Kon-Tiki)

6 de janeiro de 2013 3 Comente Aqui!

Tiki: povo milenar que habita a Polinésia. Kon-Tiki: expedição Norueguesa, datada de 1947, com a intenção de provar que a Polinésia havia sido povoado por descendentes dos Peruanos e não por Asiáticos, como até então se acreditava. Como eles fizeram: liderados pelo aventureiro escandinavo, Thor Heyerdahl (no filme, Pal Sverre Valheim Hagen), se propuseram a repetir o feito dos nativos, utilizando de uma jangada similar há de 1500 anos atrás para atravessar os 8.000 km que separam ambos continentes. Loucura? No meu ponto de vista sim, mas o filme Kon-Tiki, co-dirigido por Joachim Ronning e Espen Sandberg, narra à história verídica dessa jornada épica liderada por um sujeito determinado a contradizer todos os preceitos científicos da época. Mesmo que para isso precise colocar a sua vida, e a de todos que embarcaram no seu sonho, em perigo.

Curiosamente, talvez até pela produção conjunta que envolve também a Inglaterra, a primeira impressão que tive sobre Kon-Tiki, é de uma obra que foge do estilo narrativo do recente cinema escandinavo e assim se aproxima mais da maneira tradicional americana e britânica de se contar uma história com fundo verídico. Longe da crueza naturalista, chocante até, que anda fazendo a fama do cinema local, a produção também apresenta uma pegada deveras poética, principalmente no tocante do visual, onde se presencia uma fotografia vistosa, valorizando a natureza. Nesse sentido, pode-se até dizer que o trabalho de Ronnig e Sandberg aproxima-se de As Aventuras de Pi (2012), do taiwanês Ang Lee. Entretanto, essa afirmação não se aplica somente ao quesito visual, existe o mesmo dilema “homem versus natureza”, mas sem as aspirações religiosas do trabalho de Lee e com temáticas totalmente diferentes.

Prezando por edificar ao máximo o conteúdo do caráter humano da história, transpondo as barreiras pessoais do protagonista de forma corriqueira, as problemáticas do filme podem soar esvaziadas. O formato episódico da narrativa também diminui um pouco a dificuldade e o impacto da brava jornada imposta pelo destemido Thor. No entanto, se Kon-Tiki tem suas ressalvas de teor negativo, não chegando a ser uma obra-prima, também passa longe do embuste. As seqüências mais agitadas são tensas, elaboradas com afinco, principalmente nas que envolvem animais aquáticos, como baleias e tubarões. A narrativa, apesar da restrição já citada, transcorre sem contratempos, alternando um tom contemplativo com as problemáticas de confrontamento com a natureza. No que toca as adversidades entre a pequena tripulação da bucólica jangada, mostrada de forma rasa, sempre procurando trazer os personagens como heróis, é o que pode criar uma leve antipatia pela obra.

Com poucos conflitos, a trama mostra os sete tripulantes, exceto o personagem Herman (Anders Baasmo Christiansen), da nau Kon-Tiki como sujeitos nobres e destemidos. Particularmente, esse tom de homenagem exagerada me incomoda e faz dos personagens simples alegorias unidimensionais. Verdade também que o protagonista, Pal Sverre Valheim Hage, limitado e caricato, não cativa como deveria. Sua interpretação, carregada no maniqueísmo, o que talvez até seja uma característica do verdadeiro Thor, afasta o espectador invés de atrair. Pode ser que esse também tenha sido um artifício dos diretores para atestar a devoção e determinação do protagonista, muito embora acredite que essa opção faça de Thor apenas um herói arrogante. Contudo, com mais acertos do que erros, Kon-Tiki é uma obra com seus atrativos, principalmente os já supracitados (fotografia, direção de arte) e no ponto de vista dos votantes do Globo de Ouro 2013, merece estar entre os filmes que concorrem ao prêmio de melhor filme estrangeiro.  




3 Comente Aqui! :

  • Anônimo disse...

    Olá
    Achei o filme muito bom. Porque o cara que faz heroi tem que ser sempre legal segundo o que a maioria pensa na vida real isso não acontece e talvez essa seja a forma como se poderiam o filme tentar aproximar da realidade?

    Agora o cinema é uma linguagem de expressão da alma humana dentro de uma sociedades (entre outras ideias que podemos botar aqui) então todo esse bla bla bla bla desta critica é chata e sem sentido. Vamos sim valorar fatos que foram feitos contando historias de forma coerente.
    Kon-tike mostra como os povos em epocas remotas e contra todas as adversidades naturais se dispersam e se fundem entre si.
    É uma bela vsita do homem curiso.

  • Celo Silva disse...

    Caro, Anônimo. Eu compreendo seu ponto de vista. Isso se chama subjetividade. Em certo momento da resenha, eu afirmo q talvez a arrogância do personagem seja uma característica do verdadeiro Thor. Entretanto, Kon-Tiki não é um documentário e sim uma obra ficcional e nesse sentido, ela acaba se mostrando falha no que toca a atuação de seu protagonista: caricato e canastrão. Entretanto, o filme me agradou, tanto que dei uma nota bem razoável, lamento se não atingiu a suas expectativas, mas é onde eu volto para afirmar sobre a subjetividade. Só acho desnecessário você dizer que a crítica é chata e sem sentindo. Afinal, esse é um ponto de vista e não uma verdade estrita. De qualquer maneira, obrigado pela visita. :)

 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...