Crítica: Touro Indomável (Raging Bull)

12 de março de 2012 6 Comente Aqui!


Touro Indomável é uma das belas obras que o cinema nos brindou na década de 80 e marca mais um grande trabalho da parceria Martin Scorsese e Robert De Niro. Quatro anos antes eles já tinham feito outro grande trabalho conjunto no filme Táxi Driver. Em uma breve introdução histórica, este projeto já estava sendo pensado pela dupla por bastante tempo, mas Scorsese não apresentava tanta empolgação quanto seu amigo. Com isso, a ideia terminou  ficando engavetada por um bom tempo, mas De Niro não parava de acreditar que eles poderiam fazer uma boa história contando a vida do pugilista Jake La Motta. Reza a lenda, que enquanto esteve internado, por problemas com drogas, Scorsese foi duramente pressionado para realizar o filme e assim resolveu ceder a pressão do parceiro e arriscar na produção.

Hoje, 32 anos depois, só tenho que agradecer pelo esforço do ator em realizar esta película. Muitas são as histórias que temos de atores que dedicam uma vida em prol de um personagem, mas poucos foram tão capazes de apresentar um trabalho de tanta qualidade como esta interpretação do pugilista do anos 40 feita por De Niro. O longa é tão grandioso, que para muitos é o maior filme de sua década. Em matéria de premiações, o longa foi indicado a 8 Oscar e foi vencedor de dois, Melhor Ator e Melhor Edição. Dizem que só não ganhou o de melhor filme, por conta de uma recente tentativa de assassinato ao presidente Ronald Reagan, cujo o infrator disse que se fundamentava nos "ensinamentos" de Táxi Driver, o que causou alguns problemas a Scorsese. Ele chegou a ser escoltado na cerimônia de premiação e acho que isso influenciou em sua derrota naquele ano. A academia temia que outros casos semelhantes pudessem surgir influenciados por uma vitória do Scorsese. 

Antes de assistir a produção eu achava que este era um longa sobre Boxe, mas hoje posso dizer tranquilamente que ele é uma vertente narrativa, usada para a construção e expressão de um grande personagem. O roteiro do filme é algo muito mais denso e o esporte citado é uma forma de expressão. O personagem principal, além de pugilista, é uma pessoa ciumenta, possessiva e agressiva, que tinha raros momentos de felicidade. Entrar no ringue, para ele, era a chance de expurgar toda sua tristeza e raiva reprimida, o que fazia com que suas lutas não fossem baseadas em estratégias e sim na emoção que sentia no momento. Quanto maior sua raiva, mais forte ele batia nos oponentes e sua relação com a mulher era um termômetro para esses sentimentos.

Não duvido da qualidade de todos os envolvidos na produção, mas ainda estou digerindo a atuação de Robert De Niro. Se eu já tinha ficado impressionado com seu trabalho em Táxi Driver, acho que em Touro Indomável ele supera bastante o seu Travis Bickle e entrega uma atuação ainda mais completa. Ele nos brinda com um La Motta raivoso, agressivo, de baixa estima, paranoico, ciumento, possessivo e auto-destrutivo. Uma pessoa impulsiva que não sabe lidar com adversidades e capaz de destruir a tudo e a todos, inclusive a si mesmo. A entrega do ator é tanta que, para atingir o máximo de realismo, ele treinou boxe por um ano com o pugilista que inspira a obra e, além disso, engordou 25 quilos em 2 semanas, para interpretá-lo depois de aposentado. Seu semblante nos ringues é de um touro enfurecido e alucinado. Uma pessoa obcecada e pronta para o ataque. Fora dele, seu olhar é de um louco sem auto confiança e que acredita que a violência irá resolver todos os seus problemas. Um monstro irracional e de pavio curto. Joe Pesci, muito famoso pelos filmes de máfia que fez,  também aparece muito bem na obra e foi até premiado como melhor ator principal estreante em cinema no Bafta.

Outro aspecto muito interessante da obra é seu trabalho de fotografia. O primeiro ponto a se analisar é que a decisão de fazê-la em preto e branco foi crucial para que tivéssemos uma maior sensação de realidade e até mesmo de que chegássemos a imaginar que estávamos diante de um documentário. Além disso, importante é que com as tonalidades mais acinzentadas,  o sangue, que seria um sério problema de classificação que o filme enfrentaria, se tornou menos agressivo, considerando que não foi nem um pouco economizado. Como curiosidade fica a informação de que foram caldas de chocolate, que simularam o sangue, o que comprova mais um ganho com a utilização em preto e branco.

A premiada montagem também merece seu destaque, pois Thelma Schoonmaker dá um show particular em sua apresentação. A primeira coisa que pude perceber foi a forma como ela conduziu as lutas. La Motta apanhava mil socos com uma velocidade implacável, mas revidava com uma câmera lenta de tirar o fôlego. Por sinal, muito marcante os banhos de sangue saindo dos lutadores em câmera lenta. Os sentimentos do protagonista eram expressados através da velocidade e fúria dos seus golpes. Sua raiva fazia com que a arena fosse gigantesca, um espaço único em sua vida. A mixagem de som também se destaca com a utilização de som de animais representando a platéia nas lutas. Que grande sacada!

Touro Indomável é sem sombra de dúvidas um grande filme e me deixou bastante empolgado para continuar visitando o universo dos clássicos. É muito bom ver um Robert De Niro diferente do que eu conhecia e conhecer a história de um diretor, que já gostava bastante pelos últimos trabalhos e que gosto ainda mais ao conhecer seus clássicos.


Trailer do Filme:



6 Comente Aqui! :

  • Sintia Piol disse...

    Nunca assisti ao filme, mas você descreveu sua história com tanta beleza que é impossível não querer ver! Esse terei que conferir. Um super abraço e valeu mesmo essa dica! ;)

  • Júlio Pereira disse...

    De fato, Touro Indomável é o segundo melhor Scorsese - embora meu segundo favorito seja Os Bons Companheiros (mas é meramente pessoal). Se é o melhor dos anos 70 (lembre-se que até 1980 é enquadrado na década de 70)? Não sei. Muito, mas MUITO difícil. Só na mesma década tem Taxi Driver e O Poderoso Chefão, né?! Além disso, a New Hollywood toda foi extremamente produtiva e importante. Porém, com certeza, Touro Indomável figura entre os melhores, sim.

    Eu e meu amigo Nelson Silva já discutimos o tanto que devia ser engraçado o De Niro pentelhando o Scorsese pra fazer Touro Indomável. Bem, devemos essa obra-prima, parcialmente, ao ator. Não só por isso, mas pela atuação monstruosa que ele entrega. No melhor papel de sua carreira, De Niro desenvolve um personagem furioso, verdadeiro touro indomável, de várias dimensões e imensamente complexo, merecendo, quem sabe, um texto próprio (exagerei?). Sua transformação fisica é realmente notável, denotando um esforço e dedicação tremenda do rapaz. Mas ainda mais: sua transformação interpretativa, mudando sua personalidade de forma convincente.

    Acho que Touro Indomável torna-se ainda mais interessante na decadencia de Jake. Seu final é emblemático. E o que dizer do monólogo em frente ao espelho? Como já disse, recomendo que veja a cena do primoroso Sindicato de Ladrões de onde a fala foi retirada: http://www.youtube.com/watch?v=lU6eYSqO8Ck.

    Em relação aos Oscars: não ganhou porque o Scorsese e a Nova Hollywood não tinham cara de Academia. Hoje em dia ele tem perfil de vovô, claro. Mas antes era um drogado, porra-louca, fazia só cinema marginal. Sem contar que o Oscar nunca reconheceu muito o movimento setentista nos EUA.

    Thelminha dá mesmo um show. Montagem espetacular como sempre. Acho que a fotografia ainda tem mais funções que as citadas: remeter ao cinema clássico, numa homenagem, e, principalmente, fazer com que ele saia dos padrões dos filmes de boxe, novamente remetendo à algo clássico.

    Ademais, seu texto está excelente! Realmente se superou, Tiagão. Inegavelmente seu melhor comentário (que eu li) por aqui! Mantenha o fôlego, não deixe que Ray te derrube.

    Obs.: por curiosidade, um vídeo que acho particularmente hilário e recomendo muito, envolvendo Touro Indomável: http://www.youtube.com/watch?v=ClFBKaJIrPo

  • Celo Silva disse...

    Tiago, meu camarada, tenho q concordar com o júlio, esse é o seu melhor texto que li aqui. Leitura deliciosa, que percorre as nuances dessa obra fantástica de Scorsese. Parabéns! Aproveite e confira logo Os Bons Companheiros, um filmaço também. Grande Abraço!

  • Cristiano Contreiras disse...

    Eu vou reforçar e acrescentar: não é seu melhor texto, pois você já fez aqui ótimos comentários e olhares seus em relação a certos filmes. Mas, de fato, gostei muito deste texto. TOURO INDOMÁVEL tem uma assombrosa personificação interpretativa de De Niro, o cara ali fez algo assombroso e hipnótico. Você sabe mesmo percorrer os sentidos do filme, principalmente colocando a técnica e as mensagens que ele passa. Eu confesso que gosto mais deste aqui que TAXI DRIVER, é gosto pessoal mesmo, afinal Scorsese é DEUS e amo seus filmes. Abs!

 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...