Crítica de Seriado: The Walking Dead, 1ª Temporada

21 de março de 2012 3 Comente Aqui!

Talvez quando o canal AMC resolveu adaptar para a TV as cultuadas historias em quadrinhos The Walking Dead, nem imaginava a dimensão que a serie teria, ganhando também um culto imediato. Se realmente a intenção foi de realizar apenas uma micro-serie, o foco foi errado, porque desde há décadas atrás o assunto “zumbis” é interessante para a cultura pop, que o diga o pai dessas criaturas, o hoje senhor George A. Romero. Essas considerações acabam por ser pertinentes ao chegar ao final dessa 1ª Temporada de The Walking Dead, que mesmo sendo tensa e emocionante, existem as pontas soltas. Talvez propositalmente, mas na verdade, parece que algo foi mudado no seu desfecho, não era aquilo que estava preparado. Não será que tudo deveria ficar mesmo por uma temporada? Um conto de terror, nada mais? Ou será que o sucesso inesperado ou mal calculado fez abrir um bem vindo horizonte de possibilidades a serem exploradas por temporadas subseqüentes?

Apesar de ter apenas 6 episódios nessa sua primeira temporada, The Walking Dead não ganha o espectador de primeira. As digressões iniciais remetem a produções semelhantes (como os recentes Extermínio e Madrugada dos Mortos), mas o desenrolar do episodio piloto acaba sendo tão satisfatório que o espectador fica curioso para saber como toda aquela trama vai acontecer. Curiosidade que já parte dos créditos, quando vemos o nome de Frank Darabont como “carro-chefe”, tendo ainda dirigido esse já citado piloto. O sujeito que melhor adaptou os contos de Stephen King para o cinema tem talento suficiente para tratar uma historia bizarra e ainda assim ser emocional ao ponto de fazer o público realmente se interessar pelos personagens e com o que esta acontecendo. Não é pouco, porque a própria historia parece avançar morosamente, se restringindo a conflitos pessoais e outras boas seqüências de ação. Por isso, repito que talvez a intenção fosse mesmo de fazer um recorte sobre como uma situação dessas se refletiria em determinado grupo de pessoas.

A trama começa acompanhando o policial Rick Grimes (Andrew Lincoln), que acorda do coma em um hospital abandonado. Atordoado e ainda enfermo, ele sai pelas ruas e sem muito esforço percebe que o mundo não é mais o mesmo. Aliás, a primeira cena em que encontra um “errante” é chocante. Apesar de um efeito especial ainda se aperfeiçoando para o formato, o zumbi consegue ter o impacto devido na telinha. Como se o seu sofrimento pelo desejo por carne humana fosse o verdadeiro terror e o que pudesse infringir a Rick fosse pouco importante. Porém, não se enganem, esse “errante” sofrido é exceção, porque logo somos apresentados a hordas de ávidos comedores de carne humana. Eles surgem quando menos se espera e compõe de forma angustiante esse quadro apocalíptico instaurado. Ao cair na real, a única motivação de Rick passa a ser encontrar sua família. E de forma louvável, o enredo logo lhe coloca junto a seus entes e a um grupo de refugiados que se escondem em uma montanha. Assim, fugindo de uma possível enfadonha jornada edificante que poderia se tornar o verdadeiro motivo dessa primeira temporada.

Por um outro lado, as boas seqüências de fugas e embates com os “errantes” camuflam um pouco esse aparente roteiro raso, que pouco desenvolve o perfil dos personagens e tornam algumas situações redundantes, como contornos que parecem estar ali apenas para ganhar tempo para os roteiristas pensarem em outras soluções.  Pode até incomodar, mas como ficou essa primeira temporada diverte e comove. Diria que é um bom aperitivo. Vendo o potencial do material que tinha em mãos, a AMC provavelmente resolveu guardar para as temporadas seguintes um melhor desenvolvimento. Até porque tudo ficou tão restrito, que opções de novas possibilidades não faltam, pode-se apostar em algo mais “verossímil” ou se deixar levar por uma trama fantasiosa. Tanto uma como outra alternativa, se bem estruturadas, podem fazer The Walking Dead tomar proporções maiores das que já conquistou e definitivamente fincar o canal AMC no panorama dos produtores de series televisivas de qualidade.



3 Comente Aqui! :

  • Rafael W. disse...

    Sou fã dessa série. Adoro os personagens, a narrativa dos episódios, as cenas de horror gore... sem dúvida, uma das melhores da atualidade.

    http://cinelupinha.blogspot.com.br/

  • Vieira disse...

    Esse seriado prende muito o espectador a telinha. Não vejo a hora de estrear a terceira temporada. :)

 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...